Bruno Oliveira

Com agenda nacionalista e atos midiáticos, presidente do México tem 80% de aprovação


 Eleito em julho do ano passado com 53% dos votos, o esquerdista Andrés Manuel López Obrador, 65, chega aos cem dias na Presidência do México batendo recorde de popularidade, nada menos que 80%.


O segredo está, em parte, em seu modo de atuar, que é midiático e inflama seus apoiadores de entusiasmo e nacionalismo. AMLO, como é conhecido, tomou diversas decisões no sentido de mostrar que quer um governo transparente e junto ao povo. Sem seguranças. "O povo me protege", diz.


Dispensou o Palácio Presidencial como residência, assim como formalidades do cargo, o que, num país onde a liturgia do poder é tão arraigada, parece mesmo algo revolucionário. Tem viajado por todo o território. Nesses cem dias de governo, passou 56 visitando vários cantos do país, sempre voando em classe econômica. Onde chega, conversa efusivamente com autoridades e cidadãos, faz selfies, come em restaurantes populares e distribui abraços.


Seu dia começa sempre com uma longa entrevista coletiva, de cerca de 1h30, às 7h. Costuma entrar na sala de imprensa fazendo piada com os jornalistas sonolentos para que prestem atenção nele. Suas entrevistas estão disponíveis no serviço de streaming Spotify.


AMLO também abriu mão de 60% de seu salário e impediu que servidores públicos ganhassem mais do que ele.


"Toda essa performance vem acompanhada de um discurso que não é simplesmente nacionalista ou simplesmente populista. Vai além, porque toca uma corda importante dos mexicanos", diz à reportagem o professor Jean François Prud'homme, diretor do centro de estudos internacionais do Colegio de México. "Ele atua como atuaram os líderes da Revolução Mexicana (1910), mencionando os símbolos mais caros do passado da nação, e as pessoas se comovem. Também agrada seu tom paternalista, de cuidador do povo."


Já o analista político Federico Estevez, do Instituto Tecnológico Autônomo do México, considera esse seu tom "messiânico, como se estivesse pregando todo o tempo. Por outro lado, também soa como se Bernie Sanders estivesse no poder", em referência ao senador americano e ícone da ala socialista democrata.


Se essa é a imagem mais panorâmica do governo, do ponto de vista mais prático e pontual, o caminho tem sido pedregoso. AMLO começou, por exemplo, com uma medida polêmica. Antes mesmo de assumir -no México, as eleições ocorrem em julho, e o presidente eleito toma posse em dezembro-, López Obrador realizou uma consulta popular, em que apenas 1,2% dos eleitores votaram, para perguntar se o planejado novo aeroporto do México tinha de ser terminado.


A obra, que custaria US$ 13 bilhões, já estava na metade. Mas a maioria dos que votaram preferiu que não seguisse. Quando assumiu, AMLO interrompeu o projeto. e o gesto não apenas causou a fúria dos investidores como serviu de alerta a futuros prováveis investidores estrangeiros no país.


Como em seu discurso de campanha estava também a recuperação da soberania petrolífera do país -seu antecessor, Enrique Peña Nieto, havia privatizado parte da estatal Pemex-, as antenas do mercado externo emitiram sinais de alerta.


Logo, empresas de qualificação como a Fitch Ratings e Standard & Poor´s diminuíram a nota de confiabilidade do país. Por outro lado, a OCDE (Organização pela Cooperação Econômica e o Desenvolvimento) baixou também as perspectivas de crescimento para este ano e o próximo. A projeção feita no ano passado era de um crescimento de 2,5% para 2019 -caiu para 2%. E, em 2020, a projeção de 2,8% caiu para 2,3%.


"AMLO está sendo muito firme em manter sua promessa de campanha de que não vai endividar o país nem aumentar impostos. Ele considera que apenas a economia que está fazendo ao cortar os gastos do aparato público será suficiente para realizar uma melhor divisão da renda, sua grande promessa de campanha", afirma Prud'homme.


Um dos principais problemas que enfrentou até agora foi a crise dos combustíveis. Ao iniciar uma ofensiva contra a máfia do roubo de combustíveis que há na Pemex, causou uma crise de escassez de gasolina em janeiro, que afetou todos os Estados, e em especial a Cidade do México, onde se formaram filas que duravam horas ou mesmo dias.


Outra frente em que tem atuado com cautela é a relação com os Estados Unidos. AMLO venceu as eleições, entre outras razões, porque parecia ser alguém que, com seu discurso anti-imperialista e protecionista, defenderia o México dos constantes ataques por parte do presidente norte-americano, Donald Trump. Os mexicanos já estavam cansados de serem insultados sem que Peña Nieto os defendesse nem dissesse, publicamente, que o México não pagará pelo muro que Trump quer construir na fronteira.


Em vez da confrontação direta, porém, AMLO adotou estratégia alternativa, junto a seu chanceler, Marcelo Ebrard: a de abrir o país para os imigrantes expulsos dos EUA ou que estejam esperando a tramitação do seu visto, colocando um ponto final na caravana de imigrantes em território mexicano. Os EUA pagam por isso, e AMLO diz que esse dinheiro será revertido em gasto social para melhorar as condições dos sistemas de saúde e educacional.


Mas, no dia a dia, a coisa não funciona tão bem. O programa "Fiquem no México", que entrega a esses refugiados vistos de trabalho, gerou crescimento de casos de xenofobia e o temor de um setor da população que crê que seus empregos podem estar ameaçados pelos imigrantes centro-americanos (principalmente de El Salvador e Honduras).


"A ideia é não criar motivos para conflitos com os EUA e defender a noção de não intervenção. É nesse sentido que vai também a decisão de não reconhecer Juan Guaidó como presidente da Venezuela, mas ao mesmo tempo manter-se no Grupo de Lima. É um respeito à lógica de preservar as soberanias nacionais, para que o México não sofra o mesmo amanhã", diz Prud'homme.


Indagado sobre o restante da política exterior, o estudioso diz que AMLO não vê a área como prioridade. "López Obrador diz que a melhor política exterior é ter uma boa política interior. Este é o primeiro presidente mexicano em muitos anos que não viaja para fora do país, não convida ninguém a visitas oficiais. Creio que a linha seguirá sendo essa", completa.


Por fim, a aposta mais arriscada entra em vigor nos próximos meses e, se funcionar, pode colaborar para que a alta popularidade de AMLO continue batendo recordes. Com um parlamento majoritariamente a seu favor, aprovou a emenda constitucional que cria a Guarda Nacional.


Essa nova força de segurança atuará sobre as forças locais, a polícia e o Exército. O objetivo é quebrar a estrutura armada nos estados pelo narcotráfico, que, ao financiar campanhas políticas de muitos governadores, tem o controle da segurança nas mãos. Os criminosos, assim, mantêm os cidadãos sob seu controle, por meio de extorsões e sequestros, enquanto as rotas da droga continuam intactas e atuantes.


A Guarda terá como missão romper essa cadeia. Especialistas em segurança apontam que a iniciativa pode não funcionar, pois haverá superposição de poderes, e nada garante que os integrantes da Guarda Nacional não sejam corrompidos pelos narcotraficantes, como estes fizeram com parte do Exército, da polícia e da política regional.


A medida, porém, entusiasma o eleitor mexicano. A cifra de homicídios de janeiro foi de 2.842 mortos, 10% a mais do que no mesmo período em 2018, segundo dados oficiais.

Folhapress



últimas

  1. Candidata do PSL diz à PF que ministro do Turismo pediu desvio de dinheiro na eleição
  2. Apagão volta a atingir Caracas e outras regiões da Venezuela
  3. Em reunião com ministros, Bolsonaro defende relação pacífica com Maia
  4. Investigado na Lava Jato é encontrado morto em Porto Alegre
  5. Governo Bolsonaro suspende avaliação de alfabetização por dois anos
On Top