Bruno Oliveira

Comitê de Relações Exteriores dos EUA repreende aproximação com Bolsonaro


 O Comitê de Relações Exteriores da Câmara dos Representantes dos EUA enviou nesta quarta-feira (9) uma carta ao secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, para repreendê-lo por sua aproximação com Jair Bolsonaro.


Em seus primeiros dias cargo, o presidente brasileiro, destaca o texto assinado pelo presidente da comissão, "tomou uma série de ações que mira grupos marginalizados, particularmente as populações LGBT, indígena e afrobrasileira".


"Ficou imediatamente claro que declarações passadas do presidente Bolsonaro não mais se limitam à retórica", afirma o representante (título equivalente ao de deputado) Eliot L. Engel, um democrata.


Pompeo foi à posse do novo presidente brasileiro e, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, elogiou a ideia de instalar uma base americana no Brasil, abraçada e depois rechaçada por Bolsonaro.


Em audiência com o chanceler Ernesto Araújo, o americano  disse que seu país pretende "aprofundar a cooperação [com o Brasil] em questões de segurança e trabalhar conjuntamente contra regimes autoritários no mundo", citando Cuba, Venezuela e Nicarágua.


O partido de Engel é mais próximo da linha progressista, e colegas dele já formularam uma carta de apoio a Lula.


O congressista, contudo, já criticou o petista - em 2009, definiu como "um erro grotesco, uma falha terrível" a recepção de Lula, então presidente do Brasil, ao iraniano Mahmoud Ahmadinejad, reeleito num pleito visto como fraudulento e realizado em meio à uma repressão violenta contra dissidentes. 


A carta pública afirma que o comitê ficou "perplexo" porque, após o americano se reunir com Bolsonaro, o Departamento de Estado disse que Pompeo "reafirmou a forte parceria Brasil-EUA, enraizada em nosso compromisso comum com democracia, educação, prosperidade, segurança e direitos humanos".


"Não está claro se o presidente Bolsonaro compartilha esses valores", diz o documento.


"Se a administração Trump está de fato comprometida com essa parceria, sugerimos fortemente que você não endosse o comportamento de Bolsonaro, mas levante objeções a essas ações recentes de forma privada e pública", pede o documento, assinado por Engel e cinco outros congressistas, todos democratas.



últimas

  1. Temer deve ser ouvido por delegado considerado seu 'maior inimigo' na PF
  2. Certificado de estabilidade dificultou investigação sobre barragem em Brumadinho, diz promotor
  3. Após repercussão negativa, Bolsonaro apaga vídeo de 'golden shower'
  4. Ministros do STF criticam espetacularização da Lava Jato ao prender Temer
  5. Como Lula, Temer ficará em carceragem da PF
On Top