André Giolito

Como um osso pode mudar a História


Uma falange de aproximadamente 3cm pode mudar os rumos de nossa compreensão sobre as migrações humanas.

 Á muitos intrigam conhecer os fatos mais longínquos que determinaram os passos dos nossos ancestrais humanos na superfície terrestre.  As grandes migrações, duradouras caminhadas pela terra, foram contadas e recontadas, formuladas e reformuladas muitas vezes a partir das novas descobertas.

O que é?

 A partir da analise do osso que supostamente é atribuído a um “homo sapiens” , pesquisadores descobriram que humanos já habitavam regiões externas à África 85 mil anos atrás. Até então acreditava-se que o homo sapiens só começou a viver fora da região africana há 60 mil anos. A publicação científica levou a assinatura por 30 cientistas de universidades, e foi publicada na revista Nature Ecology and Evolution.

Aonde ela foi descoberta?

A pequena falange foi encontrada no deserto de Al Wusta, no Omã. A peça fazia parte de uma coleção com mais de 800 artefatos.

Em escavações feitas na Arábia Saudita, foram encontrados ferramentas, porém não havia evidências de restos e ossadas humanas que poderiam ser vinculadas a tais artefatos. De acordo com o cientista How Groucutt, um dos responsáveis pela pesquisa, é normal que isto ocorra, pois a maior parte dos animais e humanos desaparecem sem deixar rastros.

Como a identificaram?

 A datação da falange foi feita através do processo que utiliza carbono 14,  que compara os níveis de emissão do isótopo com a quantidade dele presente na natureza. Também se construiu um modelo 3D para melhor visualização do osso. Sabe-se que o osso pertence a um homo sapiens, pois verificou-se que ele assemelhava-se menos aos neandertais, que são mais curtos e largos.

Clima

Parece que a ideia de compreender as mudanças climáticas do passado está profundamente ligada ao nosso entendimento sobre as migrações e evoluções humanas. O homo sapiens, ao longo de sua Historia, procurou lugares favoráveis buscando sobrevivência e equilíbrio para a espécime. De acordo com os pesquisadores, o clima na região era totalmente diferente há 85 mil anos. No local haviam lagos enormes e era habitado por animais.

"Agora, o grande mistério é o que aconteceu com essas pessoas", diz Groucutt. Apesar da dificuldade de determinar evidências que indiquem a morte daquelas pessoas,  a hipótese é que a ocupação do local foi pouco duradoura.



últimas

  1. Apagão volta a atingir Caracas e outras regiões da Venezuela
  2. Em reunião com ministros, Bolsonaro defende relação pacífica com Maia
  3. Investigado na Lava Jato é encontrado morto em Porto Alegre
  4. Governo Bolsonaro suspende avaliação de alfabetização por dois anos
  5. Professor do Quênia que doa 80% do salário ganha 'Oscar da educação'
On Top