Bruno Oliveira

Ex-secretário da Segurança de SP ganha escolta após ser citado por presos do PCC


 Ex-secretário da Segurança Pública de São Paulo, o procurador Antonio Ferreira Pinto está sob escolta da Polícia Militar após setores de inteligência da polícia terem detectado a possibilidade de um ataque contra ele.
A informação, revelada pelo jornal O Estado de S. Paulo, foi confirmada nesta sexta-feira (30) pelo comandante da PM, Marcelo Vieira Salles. Ele disse que a ação foi tomada após "fragmentos de informações".


"Tomamos a melhor medida, de proteger não apenas um ex-secretário de Segurança, mas também um integrante do Ministério Público paulista que merece toda a nossa atenção. Temos que ter responsabilidade com qualquer tipo de informação, e ele está muito bem", afirmou o oficial.
Ferreira Pinto foi secretário de 19 de março de 2009 a 21 de dezembro de 2012, nas gestões dos tucanos de José Serra e Geraldo Alckmin. Deixou o cargo em meio uma guerra entre PCC e policiais militares, após ações letais da Rota (topo da elite da PM). Uma dessas ações ocorreu em setembro de 2012, quando nove suspeitos morreram em suposto confronto com a polícia em Várzea Paulista (SP).


Segundo a Folha de S.Paulo apurou, um setor de inteligência do governo paulista detectou conversas entre criminosos em que o nome do secretário foi citado. Parte dos interlocutores, porém, desconhecia sobre quem se tratava. Por prudência, o comando da PM decidiu colocar proteção.
Procurada, a Secretaria da Administração Penitenciária da gestão Márcio França (PSB) informou "que nenhum dos órgãos de inteligência recebeu qualquer tipo de informação" de possível ataque a Ferreira Pinto "quer por membros do crime organizado ou por delinquentes em liberdade".


"Informa, mais, que o Secretário Lourival Gomes é amigo pessoal de Ferreira Pinto, com quem mantém sólida amizade há cerca de 25 anos, mantendo, ambos, comunicação bastante frequente. Caso a Secretaria da Administração Penitenciária recebesse qualquer tipo de informação dessa natureza, com certeza o Secretário Lourival Gomes o procuraria imediatamente e o informaria sobre eventual risco", diz nota da pasta do governo.
Procurada, a Secretaria da Segurança não se manifestou sobre o assunto até agora.

Com informações da Folhapress



últimas

  1. Depoimento de João de Deus tem teclado quebrado, gritos, fio queimado e agente ferido
  2. Médium João de Deus se entrega em estrada de terra de Abadiânia, em Goiás
  3. Crise na Nicarágua se agrava, diz secretário da Comissão de Direitos Humanos da OEA
  4. Maduro não foi convidado para a posse de Bolsonaro, diz futuro chanceler
  5. Movimentações em contas de João de Deus após denúncias reforçaram pedido de prisão
On Top