Bruno Oliveira

Justiça de SP determina transferência de chefes do PCC a presídios federais


 A Justiça de São Paulo determinou a transferência de seis integrantes do PCC para presídios federais, entre eles, dois do primeiro escalão da facção: Cláudio Barbará da Silva, o Barbará, e Célio Marcelo da Silva, o Bin Laden.
Todos eles são suspeitos de integrarem a chamada "sintonia final dos estados e países" e comandarem crimes em 14 estados da federação, incluindo os ataques ocorridos em Minas Gerais e assassinato de agentes da lei.
Esse comando era exercido do interior da penitenciária 2 de Presidente Venceslau, onde está presa a cúpula da facção, conforme revelou investigação da Polícia Civil e Ministério Público que culminou na operação Echelon (do grego escalão), em junho deste ano, com 75 mandados de prisão.


As investigações tiveram início após o setor de inteligência da SAP (Secretaria da Administração Penitenciária) apreender bilhetes desses criminosos endereçados aos subordinados do lado de fora da prisão.
Os papeis foram encontrados depois que agentes instalaram redes no sistema de esgoto da prisão, já esperando que os detentos tentassem descartá-los pelos vasos sanitários durante as revistas nas celas.
Com a decisão da Justiça, o governo federal deverá agora providenciar uma local para abrigá-los em uma das cinco unidades existentes no país.


Esses presos não estão na lista que o Ministério Público pretende apresentar à Justiça pedindo a transferência de ao menos 15 outros criminosos, entre eles o chefão do grupo, Marco Camacho, o Marcola. 
Essa apresentação era esperada desde a semana passada, mas ainda não ocorreu. Integrantes da Promotoria afirmam que pode ocorrer nesta semana.
Esses presos estão atualmente no RDD (regime disciplinar diferenciado) de Presidente Bernardes, em razão de participação no caso Echelon.
Bin Laden é apontado também como o responsável pelo plano de resgate que usaria caminhão blindado para derrubar os muros da unidade.

Com informações da Folhapress



últimas

  1. Depoimento de João de Deus tem teclado quebrado, gritos, fio queimado e agente ferido
  2. Médium João de Deus se entrega em estrada de terra de Abadiânia, em Goiás
  3. Crise na Nicarágua se agrava, diz secretário da Comissão de Direitos Humanos da OEA
  4. Maduro não foi convidado para a posse de Bolsonaro, diz futuro chanceler
  5. Movimentações em contas de João de Deus após denúncias reforçaram pedido de prisão
On Top