Bruno Oliveira

Ministério do Meio Ambiente impõe mordaça ao Ibama


O Ministério do Meio Ambiente impôs uma mordaça ao Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). As demandas enviadas à assessoria de comunicação da autarquia agora deverão ser dirigidas ao MMA.


Na prática, embora o instituto ainda conte com uma assessoria de comunicação, a medida a esvazia completamente.


A reportagem enviou, na manhã desta quarta-feira (13), um email ao Ibama pedindo a posição do órgão sobre uma reportagem em curso. Recebeu da autarquia a seguinte resposta: "Por orientação do Ministério do Meio Ambiente (MMA), demandas de imprensa relacionadas à atuação do Ibama devem ser direcionadas à Assessoria de Comunicação do MMA".


O procedimento passou a ser adotado após a exoneração do chefe da comunicação social do Ibama, publicada no Diário Oficial nesta quarta. O ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) já vem cumprindo a determinação há alguns dias.


Ibama e ICMbio são autarquias vinculadas ao Ministério do Meio Ambiente, com regimes jurídicos autônomos. A relação delas com o ministério é de supervisão, não de subordinação, de acordo com a lei.


Segundo a Folha apurou, a medida, embora tenha sido acatada no Ibama, é vista dentro do órgão como um ataque à sua autonomia. Não há precedente de iniciativa similar.


Na visão de um técnico do MMA, que pediu para não ter o nome revelado, a mordaça imposta pelo ministério é uma forma de interferir na publicidade e na transparência das informações e dados produzidos pelo Ibama.


De acordo com o chefe da assessoria de imprensa do Ministério do Meio Ambiente, capitão Pallemberg, o objetivo da medida é tornar a comunicação do Ibama e do ICMbio mais alinhada à do ministério.

Folhapress



últimas

  1. Candidata do PSL diz à PF que ministro do Turismo pediu desvio de dinheiro na eleição
  2. Apagão volta a atingir Caracas e outras regiões da Venezuela
  3. Em reunião com ministros, Bolsonaro defende relação pacífica com Maia
  4. Investigado na Lava Jato é encontrado morto em Porto Alegre
  5. Governo Bolsonaro suspende avaliação de alfabetização por dois anos
On Top