Bruno Oliveira

Ministro da Educação exalta igreja e família e diz que MEC vai combater marxismo cultural


 Ao tomar posse como ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez exaltou em discurso a família, igreja e valores tradicionais e disse que a pasta vai "combater com denodo marxismo cultural" na educação. 


Falou ainda do orgulho de ter em sua equipe pessoas influenciadas pelos escritores Olavo de Carvalho, guru da direita e quem o indicou a Bolsonaro, e Antonio Paim. Não citou nenhum educador.


Na cerimônia, ocorrida na tarde desta quarta-feira (2), Rodriguez disse que o MEC vai priorizar a educação básica, sobretudo a alfabetização, mas não deu detalhes sobre como fazer isso -a não ser ao investir no argumento de que a suposta ideologização de esquerda seria a raiz dos problemas da área. Apesar de acusar professores de doutrinação, disse que o governo vai trabalhar pela valorização dos professores.


Rodríguez fez um discurso bastante político. Rasgou elogios ao presidente Jair Bolsonaro, criticou o que ele chamou de lulopetismo e casos de corrupção nos governos do PT. 


"[Bolsonaro] prestou atenção em pais e mães reprimidos pela retórica marxista que tomou conta do espaço educacional", disse, ao lado do agora ex-ministro Rossieli Soares.


O novo ministro também criticou o que ele chama de "ideologia de gênero", termo nunca usado por educadores, além de atribuir a uma onda global a destruição de valores. Disse que o país não pode admitir que agências internacionais influenciem agendas (igualdade de gênero é uma das metas do milênio da ONU, por exemplo).


"A agressiva promoção da ideologia de gênero somou-se à temática de derrubar nossas mais claras tradições", disse.


"Essa tresloucada onda globalista, tomando carona no pensamento gramsciano (...), passou a destruir um a um os valores culturais em que se assentam nossas tradições mais caras: a família, a igreja, a escola o estado e a pátria, numa clara tentativa de sufocar os valores fundantes da nossa vida social."


Após o fim da posse, o ministro também não detalhou como sera o combate a essa suposta doutrinação.


Sobre ensino superior, Rodriguez disse que vai cobrar mais qualidade das faculdades particulares. E que o MEC vai ser vigilante com empresas educacionais que contam com fundos estrangeiros de investimento.


Rodriguez repercutiu ainda o esvaziamento da pasta do MEC que cuidava de diversidade. Ao longo da posse, sua equipe insistia que não havia esvaziamento das ações de diversidade. Mas a versão foi alterada após o próprio Bolsonaro publicar no Twiiter a ideia era essa mesmo.
"Desmonte significa acabar com algo que estava muito limitado e manipulado ideologicamente por algo que não visa a ideologia."

Com informações da Folhapress



últimas

  1. Edições falsas do Washington Post com notícia de saída de Trump são distribuídas nos EUA
  2. Polícia descarta tentativa de execução em caso de deputada que teve carro baleado
  3. México se oferece para mediar diálogo entre Maduro e oposição venezuelana
  4. Covas revoga ordem que proibia servidor de alimentar animais em cemitérios de SP
  5. Ex-ministro da Saúde é acusado de favorecer empresas em compra de remédios
On Top