Bruno Oliveira

Movimentações em contas de João de Deus após denúncias reforçaram pedido de prisão


 Movimentações financeiras de altos valores, detectadas em contas do médium João de Deus após virem à tona denúncias de abuso sexual, contribuíram para o Ministério Público de Goiás pedir a prisão preventiva dele, deferida pela Justiça na última sexta (14). Os investigadores do caso sustentam que o montante elevado das recentes transações bancárias indica possível tentativa de ocultar patrimônio e o risco de o suspeito ter preparado uma fuga.


As movimentações atípicas nas contas do médium foram reveladas neste sábado pelo jornal O Globo.
O receio é de que ele saia do país. Outra preocupação é a de preservar eventual indenização das mulheres denunciantes.
"É verdade essa informação acerca de ocultação de patrimônio e vemos com bastante preocupação, porque o levantamento emergencial, a liquidez desses valores podem estar ligados com intenção de fuga, como também a questão relacionada à frustração de futuras reparações de danos que esses abusos sexuais causaram às vítimas", disse neste domingo (16) a promotora Gabriella de Queiroz Clementino.


Os detalhes do pedido de prisão estão em sigilo decretado pela Justiça.
João de Deus não é visto desde a última quarta (12), quando esteve no centro em que faz cirurgias espirituais em Abadiânia (GO). Ele está em local desconhecido desde então.
A Polícia Civil de Goiás negocia sua rendição. Desde as 14h de sábado (15), o médium é considerado foragido.
O delegado André Fernandes, que mantém tratativas com a defesa do suspeito, disse que "tudo indica" que ele vai se apresentar à Justiça neste domingo (16).

O CASO
João de Deus é suspeito de ter abusado sexualmente de mulheres durante os atendimentos espirituais que realizava na cidade de Abadiânia (GO). Ele nega as acusações.
Os casos começaram a tornar-se público após 13 mulheres relatarem as denúncias no sábado (8) durante o programa Conversa com Bial, da TV Globo, e ao jornal O Globo.
Na segunda (10), Aline Saleh, 29 contou sua história à Folha: "Quem tem de sentir vergonha é ele, e não eu". Ela diz que, em 2013, esteve na casa e que foi levada para um banheiro, posta de costas e que João de Deus colocou a mão dela em seu pênis.


Segundo a Promotoria de Justiça de Goiás, 335 contatos já foram recebidos, com mensagens principalmente por email, incluindo também outros seis países (Alemanha, Austrália, Bélgica, Bolívia, Estados Unidos e Suíça).


Também foram colhidos os depoimentos de 30 pessoas nos Ministérios Públicos de São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Distrito Federal e Espírito Santo.
Em comum, a maioria das mulheres diz que recebeu um aviso de procurar o médium em seu escritório ao fim das sessões em que ele atende aos fiéis.
No local, segundo as vítimas, João de Deus dizia que elas precisavam de uma "limpeza espiritual" antes de abusá-las sexualmente. Entre as vítimas estariam mulheres adultas, crianças e adolescentes.


O promotor Luciano Miranda Meireles afirmou que os depoimentos podem ser a única forma de comprovar as acusações, já que crimes como estupro não ocorrem à luz do dia nem têm testemunhas.

Com informações da Folhapress



últimas

  1. Edições falsas do Washington Post com notícia de saída de Trump são distribuídas nos EUA
  2. Polícia descarta tentativa de execução em caso de deputada que teve carro baleado
  3. México se oferece para mediar diálogo entre Maduro e oposição venezuelana
  4. Covas revoga ordem que proibia servidor de alimentar animais em cemitérios de SP
  5. Ex-ministro da Saúde é acusado de favorecer empresas em compra de remédios
On Top