Bruno Oliveira

Mudança da embaixada é questão de 'quando' e não de 'se', diz Netanyahu


 O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, disse neste domingo (30) ter ouvido do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) que a mudança da embaixada brasileira naquele país para Jerusalém é questão de tempo.
A medida havia sido anunciada por Bolsonaro durante a campanha.


"Bolsonaro me disse que a mudança da embaixada não é questão de 'se' e sim questão de 'quando'", afirmou, em encontro com a comunidade judaica no Rio de Janeiro.


Ele se reuniu com o presidente eleito na sexta (28) para iniciar conversas sobre parcerias comerciais.
A mudança do local da embaixada é polêmica por desagradar países muçulmanos, que também consideram Jerusalém uma cidade sagrada.


O premiê de Israel também esteve neste domingo no Rio com lideranças da comunidade cristã brasileira, que defenderam a proposta de transferência da embaixada.


Um dos presentes ao encontro, o pastor Silas Malafaia, disse que Bolsonaro perderá crédito entre seus apoiadores evangélicos se voltar atrás na decisão sobre a embaixada.


"Ninguém colocou uma faca no pescoço dele para prometer isso", afirmou, frisando que a promessa ajudou a garantir apoio dos evangélicos à sua candidatura.


Ao prometer a medida, Bolsonaro seguiu o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o primeiro a anunciar a mudança de local da e,baixada de seu país, há um ano.


Como integrante do Brics (bloco econômico que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), o Brasil assinou neste ano um documento defendendo que as discussões sobre a capital de Israel fossem parte de negociações sobre acordo de paz entre Israel e Palestina.


O país tem se posicionado em questões multilaterais mais alinhado a países árabes do que a Israel. Bolsonaro, porém, vem mostrando desejo de aproximação com Israel desde a campanha.


Netanyahu é o primeiro premiê israelense a visitar o Brasil desde a fundação do Estado de Israel, em 1948.
Participaram também da reunião do premiê com lideranças cristãs o governador eleito do Rio, Wilson Witzel (PSC), o prefeito da capital, Marcelo Crivella (PRB), e o cardeal arcebispo do Rio, dom Orani Tempesta.
"Israel e Jerusalém são um só", afirmou o premiê israelense. "Vocês não precisam ser lembrados disso porque vocês conhecem a nossa história", afirmou em seu discurso aos líderes cristãos, no qual disse que as culturas judaica e cristã são interligadas e que os cristãos são os "melhores amigos" dos judeus.


"Não temos palavras para expressar o que sentimos por Israel. Nós oramos por vocês todos os dias", disse Crivella, que é pastor licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus. "Eu sei que o senhor ama Israel, que é filho de Israel. Mas eu asseguro que o senhor não ama Israel mais do que nós", completou, dirigindo-se ao premiê.
Netanyahu tentou afastar temores sobre possíveis ameaças de terrorismo devido à transferência da embaixada, dizendo que não houve atentados relacionados à decisão desde que os Estados Unidos propuseram a medida - a nova embaixada do país foi inaugurada em maio.


Além de EUA e Brasil, a Guatemala também anunciou mudança de sua embaixada para Jerusalém. Neste mês, a Austrália reconheceu a cidade como capital, mas ainda não pretende transferir a embaixada.
Em encontro com jornalistas no hotel em que está hospedado, Netanyahu disse estar emocionado e empolgado com as possibilidades de parceria entre os dois países.


Autoridades israelenses dizem que a transferência da embaixada do Brasil para Jerusalém não é uma condição para a negociação de parcerias comerciais. A aproximação, dizem, tem como objetivo principal abrir mercado para empresas israelenses.


Netanyahu disse que o Brasil é hoje o principal interesse da política comercial israelense. "É um dos dois grandes países do mundo com os quais não temos acordos comerciais", afirmou ele. O outro é a Indonésia.
O premiê fez uma apresentação mostrando setores, como tecnologia da informação, agricultura e segurança, nos quais Israel tem produtos e serviços a oferecer.


A expectativa é que os primeiros acordos sejam firmados durante visita de Bolsonaro a Israel em março.
No final da tarde de domingo, Netanyahu teve frustrada a visita que faria ao Cristo Redentor. O premiê não desembarcou do carro em razão da lotação no local. Com a chegada da comitiva, vans pararam de subir para buscar os passageiros, formando filas.


Sua mulher, Sara, fez uma visita de 15 minutos ao Cristo com o filho. Ao descer, foi alvo dos apupos dos turistas e gritos de "ih, fora!" até os carros da comitiva deixarem o local.


Pela manhã, Netanyahu foi ao Pão de Açúcar, também acompanhado de Sara, do governador eleito Witzel, da futura primeira-dama Helena Witzel e de membros do futuro governo fluminense.

Com informações  da Folhapress



últimas

  1. Edições falsas do Washington Post com notícia de saída de Trump são distribuídas nos EUA
  2. Polícia descarta tentativa de execução em caso de deputada que teve carro baleado
  3. México se oferece para mediar diálogo entre Maduro e oposição venezuelana
  4. Covas revoga ordem que proibia servidor de alimentar animais em cemitérios de SP
  5. Ex-ministro da Saúde é acusado de favorecer empresas em compra de remédios
On Top