Bruno Oliveira

Obra para recuperar viaduto na marginal Pinheiros deve durar seis meses


 Técnicos da gestão Bruno Covas (PSDB) trabalham com a estimativa de que as obras de recuperação do viaduto que cedeu na marginal Pinheiros levem em torno de seis meses para a conclusão total. A liberação ao tráfego de veículos, porém, deve ser feita antes e de forma gradual. 


O viaduto na zona oeste de São Paulo cedeu cerca de dois metros na madrugada do feriado de 15 de novembro. A administração precisará usar estacas de ferro na base de sustentação da estrutura e vai erguê-la usando macaco hidráulico. Ainda serão feitos reforços no viaduto.
O contrato emergencial foi feito com a empresa JZ Engenharia e Comércio, com prazo de seis meses, de acordo com publicação no Diário Oficial da Cidade desta quinta-feira (22). 


Antes desse prazo, porém, a prefeitura quer fazer a liberação gradual da estrutura, restringindo faixas e evitando que veículos pesados trafeguem por ali. Ônibus e caminhões teriam de circular em vias alternativas. 
O prazo para início da liberação para veículos ainda depende de diagnósticos que estão sendo feitos nesta semana. No entanto, técnicos municipais ouvidos pela Folha de S.Paulo afirmam que dificilmente o processo de abertura comece a ser feito antes de um mês. 


A marginal Pinheiros é a segunda via mais movimentada de São Paulo, atrás apenas da Tietê, e liga a cidade a diferentes rodovias e avenidas. Em apenas uma hora, no pico de tráfego, 13 mil veículos passam pelas oito faixas da marginal, incluindo a pista local. Cinco dessas faixas estão agora interditadas.
Sem o viaduto, a cidade segue com congestionamentos acima da média. 


Do ponto de vista da obra, engenheiros da prefeitura consideram que o mais difícil passou, uma vez que agora o risco de a estrutura ruir foi afastado.
A prefeitura também atua junto ao TCM (Tribunal de Contas do Município) para conseguir aval para a contratação emergencial de um estudo sobre a situação dos 198 viadutos e pontes da capital paulista. 
O assunto se tornou uma prioridade para o prefeito Bruno Covas, que decidiu tirar o atraso da cidade neste quesito. Antes do acidente, porém, os gastos com este fim não chegaram nem perto do previsto.


A administração municipal reservou R$ 44,7 milhões para recuperação e reforço de viadutos e pontes no Orçamento deste ano. A menos de um mês e meio do final do ano, gastou até agora apenas R$ 2,4 milhões, o equivalente a 5,3% do previsto.
Em outras áreas como publicidade, por exemplo, a gestão gastou 64% do previsto -R$ 67 milhões de R$ 105 milhões orçados.

Com informações da Folhapress



últimas

  1. SIGA AS ATUALIZAÇÕES SOBRE A QUEDA DA BARRAGEM EM BRUMADINHO EM TEMPO REAL
  2. O que se sabe sobre a queda da barragem em Brumadinho até agora
  3. Sobe para nove o número de mortos na tragédia em Brumadinho, mais de 300 estão desaparecidos
  4. Fux volta atrás de decisão que submetia candidatura de Renan à Justiça de 1º grau
  5. May apresenta plano B para o 'brexit' e diz que voltará a negociar com a UE
On Top