Bruno Oliveira

Regime Ortega invade mais uma vez sede de jornal de oposição nicaraguense


 A Redação do jornal El Confidencial, da Nicarágua, voltou a ter sua sede, em Manágua, ocupada na noite desta sexta-feira (14), 24h após a primeira invasão, na qual policiais levaram computadores, documentos pessoais e câmeras dos profissionais.


Desta vez, os oficiais fecharam a sede do jornal, e também dos programas televisivos Esta Noche e Esta Semana, e impediram a entrada dos jornalistas, que não puderam fechar a edição impressa do diário, que sai aos domingos, nem gravar os programas do fim de semana.


O diretor do El Confidencial, Carlos Fernando Chamorro, filho da ex-presidente Violeta Chamorro, e ferrenho opositor da ditadura de Daniel Ortega, chamou a invasão de "agressão fascista" e disse que "seguirá denunciando os ataques da ditadura de Ortega e Rosario Murillo [mulher do ditador e vice-presidente]".


Durante a manhã deste sábado (15), Chamorro falou a jornalistas e deixou-se gravar discutindo com os policiais que faziam a guarda do edifício para impedir sua entrada.
O jornal reafirmou sua posição opositora desde o início das manifestações antigoverno, em abril passado, motivadas inicialmente por uma proposta de reforma que cortava aposentadorias. O governo reprimiu os protestos de forma violenta. Usando as forças de segurança e grupos paramilitares, como os integrantes da Juventude Sandinista, os enfrentamentos com os manifestantes causaram em seis meses mais de 350 mortos.
Confidencial é um jornal digital que possui, uma vez por semana, uma edição em papel, e seus programas são exibidos todos os dias por um canal privado.


Durante a emissão do programa na noite passada, Chamorro disse que "se os objetivos deste ataque contra a liberdade de imprensa, de expressão e de empresa era calar-nos ou intimidar-nos, nesta noite decidimos que vamos enfrentar a ditadura. As ideias não se matam. Temos um compromisso sagrado com a verdade e seguiremos informando, investigando e denunciando a corrupção e os atropelos desta ditadura."


O ataque ao Confidencial não foi único. Na madrugada de sexta-feira se reportaram invasões a sedes de movimentos sociais do país, como o Centro Nicaraguense de Direitos Humanos. Há poucas semanas, Miguel Mora, diretor do 100% Notícias, outro meio de comunicação crítico ao governo, foi preso.


Sobram hoje poucos meios independentes na Nicarágua, fora a cadeia nacional de transmissão de informações oficiais que é realizada por Murillo, diariamente, quando relata apenas dados positivos sobre a gestão Ortega.

Com informações da Folhapress



últimas

  1. Temer deve ser ouvido por delegado considerado seu 'maior inimigo' na PF
  2. Certificado de estabilidade dificultou investigação sobre barragem em Brumadinho, diz promotor
  3. Após repercussão negativa, Bolsonaro apaga vídeo de 'golden shower'
  4. Ministros do STF criticam espetacularização da Lava Jato ao prender Temer
  5. Como Lula, Temer ficará em carceragem da PF
On Top