Bruno Oliveira

Vigilância Sanitária de Goiás fecha farmácia de João de Deus em Abadiânia


A Vigilância Sanitária de Goiás fechou o laboratório que funcionava na farmácia da Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, onde o médium João Teixeira de Faria, mais conhecido como João de Deus, realizava atendimentos.

Segundo os técnicos da vigilância, no local eram fabricados medicamentos em escala industrial, sem autorização.

A farmácia possuía alvará para manipulação e comercialização de fitoterápicos, mas não para produção em escala industrial, como estava ocorrendo.

Houve coleta de medicamentos e de água mineral vendida como fluidificada.

Os produtos foram encaminhados a laboratório e o resultado da perícia deve sair em 15 ou 30 dias.

Segundo a força-tarefa do Ministério Público, a interdição menciona manipulações contrárias às normas sanitárias e más condições no armazenamento de instrumento cirúrgico.

A força-tarefa montada para apurar as denúncias contra João de Deus registrou, até o momento, mais de 500 denúncias sobre 255 possíveis vítimas. 23 mulheres tinham entre 9 e 14 anos quando dizem ter sido abusadas e 28 tinham entre 15 e 18 anos.
Os procuradores citam três tipos de crime: estupro, violência sexual mediante fraude e estupro de vulnerável, no caso de menores de 14 anos.

O médium João de Deus nega todas as acusações. Ele está preso preventivamente desde o dia 16 de dezembro.
 



últimas

  1. Temer deve ser ouvido por delegado considerado seu 'maior inimigo' na PF
  2. Certificado de estabilidade dificultou investigação sobre barragem em Brumadinho, diz promotor
  3. Após repercussão negativa, Bolsonaro apaga vídeo de 'golden shower'
  4. Ministros do STF criticam espetacularização da Lava Jato ao prender Temer
  5. Como Lula, Temer ficará em carceragem da PF
On Top