Bruno Oliveira

Vigilância Sanitária de Goiás fecha farmácia de João de Deus em Abadiânia


A Vigilância Sanitária de Goiás fechou o laboratório que funcionava na farmácia da Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, onde o médium João Teixeira de Faria, mais conhecido como João de Deus, realizava atendimentos.

Segundo os técnicos da vigilância, no local eram fabricados medicamentos em escala industrial, sem autorização.

A farmácia possuía alvará para manipulação e comercialização de fitoterápicos, mas não para produção em escala industrial, como estava ocorrendo.

Houve coleta de medicamentos e de água mineral vendida como fluidificada.

Os produtos foram encaminhados a laboratório e o resultado da perícia deve sair em 15 ou 30 dias.

Segundo a força-tarefa do Ministério Público, a interdição menciona manipulações contrárias às normas sanitárias e más condições no armazenamento de instrumento cirúrgico.

A força-tarefa montada para apurar as denúncias contra João de Deus registrou, até o momento, mais de 500 denúncias sobre 255 possíveis vítimas. 23 mulheres tinham entre 9 e 14 anos quando dizem ter sido abusadas e 28 tinham entre 15 e 18 anos.
Os procuradores citam três tipos de crime: estupro, violência sexual mediante fraude e estupro de vulnerável, no caso de menores de 14 anos.

O médium João de Deus nega todas as acusações. Ele está preso preventivamente desde o dia 16 de dezembro.
 



últimas

  1. Edições falsas do Washington Post com notícia de saída de Trump são distribuídas nos EUA
  2. Polícia descarta tentativa de execução em caso de deputada que teve carro baleado
  3. México se oferece para mediar diálogo entre Maduro e oposição venezuelana
  4. Covas revoga ordem que proibia servidor de alimentar animais em cemitérios de SP
  5. Ex-ministro da Saúde é acusado de favorecer empresas em compra de remédios
On Top