Bruno Oliveira

Família de Marielle diz que governador do Rio de Janeiro pediu desculpas


O governador do Rio, Wilson Witzel, pediu desculpas aos pais da vereadora Marielle Franco por ter participado de um ato onde foi quebrada uma placa em homenagem à socióloga durante a campanha eleitoral. A viúva da vereadora, Mônica Benício, e a filha, Luyara Santos, não estavam presentes.


O pedido foi feito no final da tarde desta quarta (13) durante uma audiência de Witzel com os familiares e integrantes da Anistia Internacional.


Na terça (12), dois homens foram presos acusados de participar da morte da vereadora em março do ano passado. "Ele nos pediu desculpas e afirmou que não participou ativamente do ato. O governador disse que não sabia, que era uma atitude individual de cada um e não teria como responder por qualquer outra pessoa", disse Marinete da Silva, mãe da vereadora, acompanhada do marido.


"Foi muita honra ele nos ter recebido e se comprometeu de uma segunda etapa das investigações", completou.


A placa foi quebrada pelo deputado eleito Rodrigo Amorim (PSL) em um comício com a presença de Witzel. 


Os representantes da Anistia Internacional disseram que ficaram satisfeitos com o encontro. "Nós ouvimos do governador o firme compromisso de seguir com as investigações e a concordância de que esse é só o primeiro passo."


O governador se comprometeu perante a família de Marielle e perante a Anistia Internacional que vai seguir nas investigações para responder todas as questões e esclarecer todas as dúvidas e incertezas, principalmente quem mandou matar e porque" disse Jurema Werneck, representante da entidade.


"Queremos saber também sobre a arma da polícia civil utilizada no assassinato, a munição da polícia federal, a negligência, o acompanhamento inadequado e as interferências indevidas apontadas no processo", acrescentou.

Folhapress



últimas

  1. Apagão volta a atingir Caracas e outras regiões da Venezuela
  2. Em reunião com ministros, Bolsonaro defende relação pacífica com Maia
  3. Investigado na Lava Jato é encontrado morto em Porto Alegre
  4. Governo Bolsonaro suspende avaliação de alfabetização por dois anos
  5. Professor do Quênia que doa 80% do salário ganha 'Oscar da educação'
On Top