Bruno Oliveira

Lewandowski volta a defender entrevista de Lula à Folha de S.Paulo


 O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Ricardo Lewandowski manifestou-se novamente nesta segunda (3) favorável ao pedido da Folha de S.Paulo para entrevistar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na prisão.
Ele enviou ao presidente da corte, ministro Dias Toffoli, uma petição do jornal para que a entrevista seja imediatamente autorizada. Caberá a Toffoli decidir.


Em setembro, em uma reclamação ao STF, a Folha de S.Paulo pediu autorização para a colunista Mônica Bergamo entrevistar o ex-presidente na prisão, em Curitiba.
No dia 28 de setembro, o relator da reclamação, Lewandowski, autorizou a entrevista. No mesmo dia, o partido Novo, adversário do PT, entrou com um pedido de suspensão de liminar no Supremo para proibir a entrevista.


O pedido foi registrado para análise do presidente da corte, mas foi julgado pelo vice-presidente, Luiz Fux. Ele vetou a entrevista e censurou sua eventual publicação, caso já tivesse sido realizada.
Posteriormente, Lewandowski contrariou a posição de Fux e reafirmou sua decisão original que havia autorizado a entrevista.
No meio da disputa de decisões, o presidente Toffoli decidiu avalizar a determinação de Fux, proibindo a realização da entrevista e impondo censura caso ela já tivesse sido feita.
Agora, Lewandowski certificou o trânsito em julgado (o encerramento) da reclamação feita pela Folha de S.Paulo, uma vez que não houve recurso da Procuradoria-Geral da República contra sua decisão inicial.
"Com o trânsito em julgado, tornou-se definitiva a decisão que julgou o mérito da ação reclamatória, deixando de vigorar aquela, 'data vênia', heterodoxa suspensão de liminar", escreveu o ministro no seu novo despacho.


Nesta terça (4), o julgamento de um pedido de liberdade formulado pela defesa de Lula, em análise na Segunda Turma do STF, foi suspenso após pedido de vista (mais tempo para analisar o caso) feito por Gilmar Mendes.
Os ministros Edson Fachin, relator do processo, e Cármen Lúcia votaram por negar o habeas corpus. Faltavam os votos de Gilmar, Celso de Mello e Lewandowski. Não há data para o julgamento ser retomado.

Com informações da Folhapress



últimas

  1. Médium João de Deus se entrega em estrada de terra de Abadiânia, em Goiás
  2. Crise na Nicarágua se agrava, diz secretário da Comissão de Direitos Humanos da OEA
  3. Maduro não foi convidado para a posse de Bolsonaro, diz futuro chanceler
  4. Movimentações em contas de João de Deus após denúncias reforçaram pedido de prisão
  5. Regime Ortega invade mais uma vez sede de jornal de oposição nicaraguense
On Top