Bruno Oliveira

Promotores investigam ligação de massacre em Suzano com radicais


Promotores de São Paulo investigam a possibilidade de o massacre ocorrido na escola estadual de Suzano, nesta quarta-feira (13), ter ligação com organizações radicais que promovem crimes de ódio ao redor do mundo. 


Segundo a investigação, a conduta dos jovens durante ataque a estudantes e funcionários, como o uso de capuzes, os diferentes tipos de armas e o fato de terem disparado contra uma pessoa fora da escola, sugerem táticas adotadas por grupos de ódio. A investigação corre em sigilo. 


"Não podemos descartar nenhuma área de investigação, e devemos traçar medidas preventivas para que esse tipo de crime não volte a ocorrer", disse o procurador-geral do estado, Gianpaolo Poggio Smanio.  O massacre deixou oito mortos e 11 feridos.  


Os computadores de Luiz Henrique de Castro, 25, e Guilherme Taucci Monteiro, 17, foram apreendidos e estão sendo analisados por promotores do Gaeco, grupo do Ministério Publico dedicado a investigar o crime organizado. "No Gaeco temos quadros especializados em investigações cibernéticas que estão atuando nesse caso", disse o procurador-geral. 


A investigação abordará se os dois jovens participavam de grupos de discussão ligados a grupos terroristas na chamada internet profunda, em que a troca de mensagens ocorre sob pesada criptografia, sem acesso por meio de sites de busca e com monitoramento mais difícil.


Por causa dessa linha de investigação, o Ministério Público tem usado o termo "terrorismo doméstico" pela primeira vez para se referir ao tipo de crime praticado pelos jovens na escola estadual em Suzano. 


O uso do termo "terrorismo" é defendido pelo procurador-geral, apesar de significar atos de destruição em massa em associação a uma causa política e/ou religiosa, o que não parece ter sido o caso na escola, ao menos neste primeiro momento das investigações. 


O massacre deixou ao menos oito mortos: cinco estudantes, duas funcionárias da escola e o tio de um dos atiradores, morto em um lava-jato pouco antes de eles seguirem para o colégio. O velório foi realizado na manhã desta quinta-feira em um ginásio da cidade da Grande São Paulo. Milhares foram ao local prestar homenagens, formando uma grande fila do lado de fora. Alguns familiares chegaram a passar mal, sendo atendidos em ambulâncias.


A polícia investiga também o envolvimento de uma terceira pessoa no crime.

Folhapress



últimas

  1. Apagão volta a atingir Caracas e outras regiões da Venezuela
  2. Em reunião com ministros, Bolsonaro defende relação pacífica com Maia
  3. Investigado na Lava Jato é encontrado morto em Porto Alegre
  4. Governo Bolsonaro suspende avaliação de alfabetização por dois anos
  5. Professor do Quênia que doa 80% do salário ganha 'Oscar da educação'
On Top